Construção civil registra em janeiro saldo positivo nas contrações em MT

No primeiro mês do ano, setor melhorou seu desempenho em relação a dezembro de 2017 e fechou com 346 novos postos de trabalho

Janeiro de 2018 quebrou uma série de quatro anos com mais demissões do que contratações nos canteiros de obras de Mato Grosso. A tendência de retomada do crescimento foi constatada na análise do saldo positivo de 346 trabalhadores empregados, resultado da diferença entre as 2.373 admissões e das 2.027 demissões. Essa movimentação gerou uma variação positiva de 1%, índice maior que o bom resultado registrado em nível de país (+0,75), menor em relação Centro-Oeste (+1,55).

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados na manhã desta sexta-feira (2) pelo Ministério do Trabalho, em Brasília. No acumulado de 12 meses, Mato Grosso conseguiu recuperar a empregabilidade no setor após a herança deixada pela Copa de 2014 no Brasil que chegou a quase 42 mil trabalhadores desligados. A capital de Mato Grosso foi uma das sedes do Mundial da FIFA.

O saldo de emprego no Estado em janeiro parece tímido, mas revela uma tendência de melhora no nível de empregabilidade como uma das consequências da reforma trabalhista. Na comparação com dezembro de 2017, o resultado foi ainda melhor porque naquele mês Mato Grosso apresentou um saldo de -2.939 trabalhadores demitidos, fruto das 1.046 contratações e das 4.035 desligamentos. Com uma variação de -7,44%, os dados daquele mês colocaram o Estado no topo do ranking entre os que mais demitiram o país.

O pior janeiro dos últimos cinco anos em Mato Grosso foi o de 2017 que fechou o mês com -333 postos de trabalho e uma variação de -0,89%.

É um resultado animador se considerarmos que no ciclo construtivo é difícil ter mais contratações do que demissões no mês de janeiro. É um mês que tem muita chuva, então as atividades se concentram na parte internas da obra, no acabamento. Por outro lado é um termômetro de que o setor está otimista e que quer continuar investindo”, avalia o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso (Sinduscon-MT), Julio Flávio Campos de Miranda.

No Brasil, a construção civil fechou janeiro de 2018 com um saldo positivo de 14.987 trabalhadores empregados, enquanto na região o saldo foi de 2.612 trabalhadores contratados.

Mato Grosso

No contexto geral, o Caged também mostrou que o Estado gerou um saldo positivo de 10.269 postos de trabalho com variação de 1,56%. Junto com a construção civil, apresentaram bons resultados a indústria de transformação (520 vagas), serv. indúst. de util. pública (81), comércio (965), serviços (1.579) e agropecuária (6.798), o grande destaque do mês. As baixas foram extrativismo mineral (-14) e administração pública (6).

Segundo o Caged, o país fechou o mês de janeiro com saldo de 77.822 postos de trabalho e uma variação de 0,21%. No Brasil, o destaque foi a indústria da transformação com 49.500 vagas geradas de saldo e variação de 0,69%. O destaque negativo no país foi o setor de serviços com a demissão de 48.747 trabalhadores, perfazendo uma variação de -0,54%.