Indecisão é de Mauro ou “estratégia” para última hora!

Muito se ouviu falar sobre a candidatura do empresário Mauro Mendes Ferreira (DEM) ao Governo do Estado, nos últimos dias, criticas e cobranças surgiram de todos os lados, mas a surpresa pode estar por vir, a indecisão poderá dar lugar a estratégia.

O cenário da política no Estado criou uma terrível coincidência, nos últimos meses, praticamente todos políticos ou lideranças políticas que se opuseram ao projeto de reeleição do governador José Pedro Taques (PSDB) sofreram algum tipo de punição, aviso, castigo, investigação, reabertura de processos e aplicação de multas milionárias. Desta forma, não é errado dizer que Mauro Mendes estaria agindo em silencio para se poupar e escapar até o último instante das garras severas dos seus adversários.

Tendo ao seu lado, pessoas como Jayme Campos e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Blairo Borges Maggi, uma estratégia para poupar a imagem do empresário Mauro Mendes, não seria nenhuma surpresa. Lembramos que em 2002, quando o atual ministro da Agricultura Blairo Maggi foi candidato ao Governo de Mato Grosso, pela primeira vez, muitos não acreditavam na sua candidatura, teve até repórter de política, como o jornalista do Blog do Valdemir, Rubens de Souza, que chamou a candidatura de Maggi de balão de ensaio.

Desta forma, podemos dizer que a estratégia de decidir a candidatura no último minuto, para a atual situação política de Mauro Mendes, que tem aprovação popular, serviço prestado em Cuiabá e um grupo formado pelas principais lideranças políticas do estado, apoiando a sua possível candidatura é uma jogada de mestres, ou melhor, de raposas política.

Segundo informações de bastidores, Mauro Mendes está na frente, na preferência da população na disputa para Governador, vencendo o atual detentor do Poder, e para Senado, uma das vagas já teria Jayme Campos, como preferido.

Nos últimos dias saiu informações de que o DEM estaria acertando com o PSDB, uma coligação que se acontecesse seria considerada suicida, principalmente para os integrantes do DEM, que hoje tem plenas condições de lançar candidatos para Majoritária com reais chances de conquistar a vitória, para quem está se afogando no rebojo, o DEM seria o saram da salvação.

Do lado do PSDB, o deputado federal Nilson Leitão, que vai brigar por uma das vagas ao Senado da Republica, disse que a saída do DEM da base de apoio a Pedro Taques nesta eleição para apresentar um nome para esta eleição foi normal, mas acredita que no segundo turno, todos estarão juntos.

O deputado federal ainda faz uma grande aposta que a aliança será possível entre Mauro Mendes e Pedro Taques no segundo turno. “O calendário permite que neste período todo mundo lance candidatura. O DEM tem todo direito de buscar seu lugar ao sol. Eles sempre apoiaram o PSDB de alguma forma. Já estivemos juntos diversas vezes. Em 2014, demos nossa vaga no Senado para que o Jayme Campos fosse candidato e ele acabou desistindo depois. Mesmo que os partidos mantenham a candidatura separada, teremos que estar bem relacionados, pois poderemos ter um segundo turno onde há chances de estarmos juntos. A qualquer momento poderemos ficar juntos”.

Já o presidente estadual do PSDB em Mato Grosso, Paulo Borges, foi bem mais longe, e disse acreditar que além do DEM, outro que poderá estar no mesmo palanque em 2018 no segundo turno será o PSD, do ex-vice-governador Carlos Henrique Baqueta Favaro.

Paulo Borges diz que neste momento, as siglas estão atuando pelo fortalecimento das legendas para que no período das convenções tenham mais “peso” para negociar melhores espaços numa composição com o grupo que apoiará o projeto à reeleição do governador Pedro Taques ao governo de Mato Grosso. Borges acredita que até junho haverá uma convergência e a aliança será mantida.

Os Democratas, mesmo não oficializando nenhuma candidatura ao Governo do Estado até o momento, vêm se posicionando publicamente como “oposição” ao governador Pedro Taques nas próximas eleições, apesar de ter sido um dos grupos aliados do Chefe do Executivo durante sua gestão.

O cacique dos Democratas Jayme Veríssimo de Campos afirmou que é a favor de uma candidatura própria de seu partido aos cargos Majoritários, como a de Governador do Estado e também de Senador da Republica, e conforme Jayme Campos, as questões deverão seguir um tramite dentro do partido, as questões deverão ser tomadas e anunciadas depois das convenções partidárias.

Não podemos tomar nenhuma decisão de forma precipitada, as convenções começam no dia 15 de julho e terminam no dia 5 de agosto, eu defendo que o Democratas tenha musculatura suficiente para ter uma candidatura a Governador, Senador e montar uma bela chapa para deputado estadual e federal. É um assunto que deve ser debatido no momento certo”.