Não vai dar WO nesta eleição, e “oposição” se diz estar preparado

O governador Jose Pedro Gonçalves Taques (PSDB) quer “eliminar” os adversários e vencer as eleições para o Governo do Estado por WO”.

Estas são algumas declarações de lideranças políticas, deputados de “oposição”, vereadores e de muitos prefeitos do interior do Estado.

Muitos nomes já começaram a se despontar como possíveis candidatos nesta eleição de outubro, a alguns dias atrás, o que ouvia era, taques não tem adversário nesta eleição, todos estão com medo.

Depois de muitas reuniões políticas, surgem nomes que podem estar na urna em outubro para concorrer a uma única vaga para Governo do Estado. A de governador de Mato grosso por 4 anos.

Zeca Viana, presidente estadual do Partido Democrático Trabalhista (PDT), já avisou que seu nome esta pronto, e já foi ate mesmo lançado pelo grupo de pessoas ligas ao Diretório Estadual do PDT em Mato Grosso.

Segundo o Diretório do PDT no Estado, Zeca Viana e uma das principais vozes da oposição em Mato Grosso, o deputado Viana disse que pretende construir uma frente ampla de oposição ao atual governador, Pedro Taques (PSDB), candidato natural à reeleição.

Eu me sinto honrado com o prestígio que o meu partido me deu com a indicação, unânime. Eu, como um soldado do partido, aceito essa missão que me foi dada“.

Já o presidente do Partido da Republica (PR), senador Wellington Fagundes, também é outro nome que saiu da casca nos últimos dias, e disse estar “pronto” e “preparado” para disputar o Governo do Estado nas eleições deste ano.

Wellington Fagundes esteve presente no SeminárioInfraestrutura Rodovias em Mato Grosso”, que aconteceu nesta segunda-feira (5), na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), e durante uma breve conversa com a imprensa, o parlamentar afirmou que a definição deverá ocorrer próximo às convenções partidárias, entre julho e agosto deste ano.

Já comuniquei que estou pronto e preparado. Mas não depende só da minha vontade. Depende, principalmente, de consolidar uma coligação que possa trazer a confiança necessária para a população de um projeto que possa avançar, melhorar, porque hoje a situação administrativa do Estado realmente é problemática”.

Conforme o Senador do Partido da Republica, todos os partidos que são da “oposição” tem buscado apoios, buscado partido para que possam sair fortalecidos e preparados para enfrentar o governador Pedro Taques do PSDB em outubro.

Então, não tem ainda uma definição, porque estamos buscando outros partidos que poderão compor essa coligação. Estamos conversando. Queremos somar o máximo possível para o projeto”.

Wellington Fagundes tem intensificado críticas à gestão do governador Pedro Taques (PSDB). Ele já chamou o tucano de sectário e maniqueísta. A questão administrativa é o principal problema atualmente. Está demonstrado que o governo não tem a capacidade de atender às prioridades da população”.

Não está definido. Quem vai decidir são as convenções. Daqui até lá estamos conversando, porque não pode ser um projeto em torno de um só. A gente tem que discutir a coligação como um todo”.

Outro nome que se diz pronto, é a do ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE/MT), Antônio Joaquim Moraes Rodrigues Neto, que espera uma definição da Justiça quanto a sua aposentadoria para que ele venha se filiar no PTB, e assim colocar seu nome a disposição do partido em outubro para o enfrentamento direto contra o tucano Pedro Taques.

O conselheiro afastado do TCE, Antônio Joaquim, espera conseguir na Justiça, sua aposentadoria do Tribunal de Contas.

A aposentadoria ainda não saiu e, atendendo aos pedidos do PTB, Antônio Joaquim resolveu esperar até o início de abril, data máxima para se filiar a algum partido, para tomar sua decisão final. Enquanto isso, Joaquim não poupa críticas ao trio Rodrigo Janot, Raquel Dodge e Pedro Taques. Segundo ele, os responsáveis por não conseguir a aposentadoria e a filiação partidária.

Jayme Veríssimo de Campos, com o resultado de algumas pesquisas, esta bastante animado, e que se o partido precisar dele como candidato ao Senado da Republica, ou ao Governo do Estado, ele esta pronto, preparado para o embate.

Jayme Campos avisou que pode enfrentar “qualquer um”, entre eles, ate mesmo o próprio governador Pedro Taques (PSDB).

Enfrento todo mundo. Não sou filho de pai assombrado. Qual o problema? Já fui governador. Estou preparado para ser governador, senador, ou não ser nada, apenas participando da campanha. Política se faz com grandeza e com altivez. Sempre fiz isso. Não sou apegado a cargo e fiz isso na eleição passada, saindo de uma candidatura com grandes chances reais de ser eleito”.

O cacique Democrata embora deixa claro que quer ser candidato, afirmou que irá esperar as definições de outros partidos e possíveis alianças que o Democratas poderá fazer para as eleições deste ano. Jayme Campos inclusive aponta que lidera pesquisas feitas.

Não lanço candidatura em meu nome. Faço candidatura com o povo. Faço política em grupo. Vou buscar respaldo não só no meu partido, mas também em outros que possamos vir a coligar, caso contrário, não me interessa. Não faço política de forma isolada. Tanto é verdade que em todas as pesquisas, estou bombando tanto para governador e para senador, e isso sem grandes articulações. Isso é porque eu faço política com o povo”.