Reeducandos de MT se destacam em concurso nacional de redação

O primeiro lugar recebeu um tablet e os demais certificados de participação, que contam como comprovação da atividade para fins de remição de pena

Oito reeducandos de Mato Grosso receberam premiação e certificados de participação na edição do Concurso de Redação promovido em 2017 pela Defensoria Pública da União (DPU), em parceria com o Departamento Penitenciário Nacional. Com o tema “Mais direitos, menos grades”, o concurso nacional foi direcionado a alunos do ensino fundamental e médio das escolas públicas de todo o país e também à população privada de liberdade, incluindo os sistemas penitenciário e socioeducativo.

De 6.600 redações inscritas, 5 mil delas foram de reeducandos de todo o país. Em Mato Grosso, o concurso foi estimulado pelos professores da Escola Estadual Nova Chance que atuam nas unidades prisionais, com destaque para a cadeia feminina de Nortelândia que teve seis reeducandas certificadas entre as melhores redações.

Nesta quarta-feira (09), a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos entregou a premiação e certificados encaminhados pela DPU. A primeira colocada no concurso, Izabel Andrieli, que ganhou a liberdade há três meses, recebeu um tablet como prêmio. Em segundo lugar ficou a reeducanda Luciana Marques e em terceiro um reeducando da Penitenciária de Sinop, que receberam um certificado e medalha de participação.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Fausto Freitas, lembrou do esforço das unidades em assegurar espaços para que mais reeducandos possam participar de atividades educacionais, propiciando alternativas que os retirem da ociosidade.

Presente à entrega, o defensor público-geral de Mato Grosso, Sílvio Jeferson de Santana, parabenizou as participantes e equipes das unidades prisionais que se empenham no dia a dia para garantir que os reeducandos tenham a chance de estudo e, consequentemente, de melhores oportunidades.

O concurso da DPU foi dividido em cinco categorias:

  • Redação Ipara alunos do 6° ao 9° ano do ensino fundamental e da modalidade Jovens e Adultos (EJA); –
  • Redação IIalunos do 1° ao 3° ano do ensino médio (regular, ensino técnico e EJA seriado); –
  • Redação IIIalunos do 6° ao 9° ano do ensino fundamental e alunos do 1° ao 3° ano do ensino médio, em cumprimento de medida socioeducativa; –
  • Redação IValunos do 6° ao 9° ano do ensino fundamental e do 1° ao 3° ano do EJA, em situação de privação de liberdade no sistema prisional brasileiro; –
  • Redação Vpessoas em situação de privação de liberdade em cumprimento de pena no Sistema Penitenciário e Categoria Escola – para estabelecimentos de ensino da rede pública que desenvolverem atividades de sensibilização e mobilização escolar com a comunidade escolar local, em torno do tema do concurso.

Participaram também da entrega da premiação o secretário adjunto de Administração Penitenciária, Emanoel Flores; subdefensores públicos Márcio Dorilêo e Caio Cezar Zuin, defensor André Rossignollo; presidente da Fundação Nova Chance, Dinalva Oriede; diretores das unidades prisionais de Nortelândia e Arenápolis, Adriana Quinteiro e Aloir Jardim e o superintendente penitenciário, João Fernando Feitoza.