“Vamos trabalhar com seriedade, apresentar propostas, não quero fazer campanha de criticas e ataques contra Pedro”

Se não tiver candidato, é preciso se agrupar a alguém. É preciso começar esse namoro e ver com que vai estar ou não. Não podemos chegar no dia da convenção e decidir. Mesma coisa de chegar ao altar e decidir com quem vai casar naquele momento.

Estas foram as palavras do presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), Jose Eduardo Botelho, do Partido Democrata (DEM), antes de ser anunciado o nome do empresário e ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes Ferreira como candidato de seu partido ao Governo do Estado.

O anuncio do nome de Mauro Mendes foi comunicado em uma reunião com todos os membros da Executiva Estadual onde foi aberto o envelope com o resultado do Instituto GPP Planejamento e Pesquisa e contou com a lideranças de Mauro Mendes, Jayme Campos, do próprio o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT) José Eduardo Botelho, o pré-candidato a deputado estadual, Júlio Campos, os deputados do DEM, Dilmar Dal’Bosco e Adriano Silva, o deputado federal e presidente do DEM, Fabio Paulino Garcia.

Na pesquisa realizada pelo Instituto GPP Planejamento e Pesquisa levaram em conta os nomes de todos os pré-candidatos nesta eleição como de Dilceu Rossato do PSL, (mesmo tendo desistido, seu nome foi colocado na pesquisa), Wellington Antônio Fagundes, presidente do Partido da Republica (PR) em Mato Grosso, Otaviano Olavo Pivetta, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), do governador Jose Pedro Taques do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), e do Procurado Mauro Cesar Lara Barros, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

O presidente da Casa de Leis, deputado estadual José Eduardo Botelho, disse que o seu partido estava demorando muito para que o resultado fosse apresentado, e com a demora, poderia ate mesmo inviabilizar uma candidatura ao Governo do Estado e ate mesmo uma aliança partidária.

Amigo particular do governador tucano Jose Pedro Taques, pré-candidato a reeleição ao Governo do Estado, sempre defendeu que os Democratas estivessem juntos na reeleição de Taques. Mas mesmo com tal risco, Botelho avalia que ainda a tempo de decidir o caminho do partido, antes mesmo do início da Copa do Mundo, em 14 de junho.

Conforme explicação do parlamentar estadual, mesmo o seu partido, o Democrata, lançando o nome do empresário Mauro Mendes Ferreira ao Governo do Estado nesta eleição de 7 de outubro, não irá afetar sua relação com o governador Pedro Taques.

Aqui na Assembleia, eu continuo com a mesmo postura, que é de defender o Governo, estarei dando sustentação ao governador, a menos que ele não queira mais e me dispense, mas fora de tudo isso, a minha relação aqui na Assembleia vai continuar a mesma, trabalhando tudo em prol da população”.

O parlamentar estadual disse ainda que esta apenas retribuindo o apoio recebido de Pedro Taques na eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa no ano passado, e que o seu único pedido foi de que ele queria apoio nos projetos do governo dentro da Casa de Leis, e de uma reeleição ao Governo do Estado.

Eu vou continuar trabalhando da mesma forma e nossa relação continuará sendo a mesma, franca e clara, como sempre foram com ele e como ele sempre foi comigo, e aqui dentro da Assembleia nós temos projetos importantíssimos do governo para serem votados como é o caso do Fundo da Saúde”.

O Democrata afirmou que logo que os trabalhos de campanha começarem vai entrar no processo eleitoral apoiando o candidato de seu partido ao Governo do Estado, mesmo sendo contra o seu amigo particular, Pedro Taques.

Vamos trabalhar com seriedade, apresentar propostas, não quero fazer campanha de criticas e ataques contra Pedro, esse tipo de trabalho não faz parte de mim, eu não trabalho dessa maneira, e que euro preservar a amizade com Pedro, e assim será minha postura nesta eleição”.

O deputado estadual Eduardo Botelho também explicou que Mauro Mendes vai construir uma viabilidade financeira para entrar oficialmente na disputa pelo comando do Palácio Paiaguás.

Mauro pediu um prazo para construir a sua candidatura ao governo, vai buscar apoios políticos, fazer alianças com outros partidos, quer também buscar apoio financeiro para custear a campanha”.