A bola da semana está com: Assembleia Legislativa, Tribunal de Justiça e Mendes/Bolsonaro

Desde a semana passada que na região metropolitana chove todos os dias, principalmente na nossa política. A previsão para os próximos dias é que as próximas pancadas devem ocorrer nos dias 13 e 14 (quinta e sexta feira).

Com períodos de “Fakenews” e encontros à noite; acompanhado por sessões na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT), que promete acontecer, a expectativa fica na homologação da delação de Cuzziol, encontro entre Mauro Mendes com Jair Bolsonaro e novas “Operações” por ainda acontecer.

Nesta segunda (10), apesar de o dia ter amanhecido um pouco frio, o céu ficou nublado com a notícia de que, o encontro entre, Mauro Mendes (DEM), Emanuel Pinheiro (MDB), Lucimar Sacre de Campos (DEM), bancada federal, com o secretário Nacional de Mobilidades Urbanas, foi transferido, por motivo de exoneração do ministro do Desenvolvimento Regional Gustavo Canuto.

Assim sendo o céu permanecerá nublado e bastante úmido, graças ao avanço das delações, porque se depender do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT)…

Calor nas próximas horas

A partir desta terça (11), com aumento da temperatura, com certeza não será empecilho para os deputados, marcarem presença no Plenário Renê Barbour para votarem os Projetos, Emendas e Vetos do interesse da população mato-grossense.

Percebe-se que a semana será de pequena trégua no calor, mesmo porque os deputados se reúnem terça, quarta e quinta feiras, e, o tempo chuvosos na política prevalece. Há alertas de temporais para algumas cidades do Estado.

VLT – Vamos Levar Tudo

Nossos políticos se articulam, fazem reuniões, sinalizam, criam expectativas e o Veículo Leve sobre Trilhos…nada.

Em Brasília continua um grupo de trabalho que estuda buscar solução para a obra, no entanto, não existe previsões de soluções…só opiniões.

Afinal esta tudo bem! São seis anos paralisadas as obras que estavam previstas para a Copa do Mundo 2014, consumiram R$ 1,1 bilhão do cofre público (leia-se bolso do povo de Mato Grosso e brasileiro) e assim segue sem previsão. A obra passou ser o “meme” na rede social e começou a ser definida de Vai Levar Tempo ou podemos ir além: Vamos Levar Tudo.

Mendes e Bolsonaro

Marcada para esta sexta feira dia 14, um encontro entre o governador do Partido Democrata (DEM), Mauro Mendes Ferreira e o presidente da Republica Jair Messias Bolsonaro (sem partido). Os dois tem agenda prevista na entrega dos últimos quilômetros de Mato Grosso com o Estado do Pará. São mil quilômetros de rodovia federal entre Sinop (MT) até Miritituba (PA).

A obra será entregue pelo governo Bolsonaro, o que significa a garantia de escoamento da safra de grãos que sai do centro do país, sobretudo do estado do Mato Grosso, até os portos do Pará, com destaque para Miritituba. A rodovia vai garantir mais segurança para os caminhoneiros, que, até então, passavam dias em atoleiros no trecho crítico em questão, principalmente na época de chuvas.

Bom…Com isso, a temperatura neste dia promete subir e tudo por causa dos impostos nos combustíveis que, com certeza não ficará de fora.

Isso porque Bolsonaro sugeriu que todos os governadores zerassem a cobrança do ICMS dos combustíveis e, que o Governo Federal deixaria de cobrar o Programa de Integração Social (PIS) e, Programa de Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Mauro Mendes na sexta, disse para Blog do Valdemir que Bolsonaro esta propondo cortar o ‘dedinho’, enquanto os governadores cortam uma ‘perna’.

Já neste final de semana na sua rede social, Bolsonaro publicou um trecho bíblico …e conhecereis a verdade…, versículo do livro de João 8:32.

Nota da redação

Ficamos assim…semana com atividades legislativas, homologação de delação, desistência de pré-candidatos a eleição suplementar, encontro de Mendes e Bolsonaro e Operação da Polícia.

“Está achando ruim esses acontecimentos? Então espere para a próxima: Será pior. E pior e pior…”, disse Ulysses Guimarães, há 27 anos. Na época era o presidente da Câmara Federal e, responsável por estabelecer nova Constituição Democrática para o Brasil. Após 21 anos sob ditadura militar. E hoje nos perguntamos: Será que Ulysses estava certo?

PS: Em uma semana repleta…nada melhor ilustrar os episódios que surfam entre a comédia e a tragédia.