A quem interessa essa “guerra de ciúmes” entre Mendes e Pinheiro?

Não deixe levar pelas brigas entre o governador do Partido Democrata (DEM), Mauro Mendes Ferreira e o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (MDB).

Os bastidores políticos sempre foram muito quentes em Mato Grosso. A máxima de que a política é mais “viva” é Cuiabá e Rondonópolis, cidades estas pouco mais de 220 Km da capital.

Mas porque os interesses e embates políticos ainda reinam nestes dois municípios? Não seria ela o paraíso ideal de qualquer gestor comprometido com a causa pública?

Neste ano, estamos vivendo o que passamos entre Blairo Borges Maggi, do Partido Progressista (PP) governador, e José Carlos do Pátio então prefeito da cidade de Rondonópolis.

Pois bem, quem ganhou quem perdeu?

Já que assistimos de camarote este jogo de “Poder”, então vamos para mais uma partida. Mauro e Emanuel. No meio de tudo isso…Cuiabá e a população mato-grossense.

Quem está em risco? Ambos. Quem perde? A população. Quem ganha? A mídia que trata o caso com manchetes, a cada novo episódio.

De concreto as discussões não tem nenhuma importância, relevância ou interesse público. Nem deveria ter (e não tem de fato), nenhuma influência na gestão do Estado ou da Capital.

Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro tem muito valor, mas neste momento tem que entender que, não podem governar com briguinhas, já que política é a arte de administrar os contrários.

Essas brigas tola, inútil e inconsequente, que nunca terá vencedores. Tal qual uma briga de família travada em público.

Todos sairão derrotados e muito feridos.

É hora dos nossos líderes políticos reagir. E se meter, exigindo um basta nesta batalha sem propósitos.

É tempo desses líderes respeitaram os seus eleitores.

Saibam que, depois de tanto esforço, tudo que a população não precisa é da presença de inimigos, comandando a Capital e o Estado de Mato Grosso na trincheira.

No momento atual o que vem transcorrendo é a tentativa de destruição moral e política. De certa forma é por causa de outros momentos. O fato é que ambas as forças em conflito, não revelam capacidade de superação do atual quadro e nem conseguem, estabilizar uma hegemonia na Política Social e Cultural.

Deixemos a vaidade de lado por alguns instantes e pensemos no lado humano da história. Que dia os concursados serão chamados, tanto na Prefeitura de Cuiabá e no Estado de Mato Grosso? Quantos pais de família ou mães batalhadores poderiam ter tido suas vidas mudadas com a garantia de um trabalho digno?

Quantas noites perderam os aprovados, sonhando em um dia serem chamados para trabalhar? É somente um assunto, tem mais: hospitais, creches, transportes, sem falar na segurança do povo cuiabano e mato-grossense.

Fazer oposição a um Governo ou discordar das ideias de quem está no comando é legítimo. A chamada briga política, no entanto, não favorece ninguém e muito menos é que a população do nosso Estado espera dos seus representantes eleitos.

Quem perde unicamente é a Capital e o Estado.

A Constituição reza em seu artigo 1º, paragrafo único, o seguinte:

Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos da Constituição“.

Por conseguinte, o eleitor é quem detém o poder. É quem decide e escolhe o candidato da sua preferência. Portanto, eleitor, aproveite a oportunidade que a democracia lhe oferece e escolha o melhor, o mais competente e honesto, aquele de sua confiança e que possa governar com soberania e independência, observando os princípios do artigo 37 da Constituição: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.

Agindo dessa forma, você contribuirá para erradicar alguns equívocos construídos ao longo da nossa historia, a exemplo do que elucida PIES (2008).

O povo brasileiro, historicamente, confunde conceito de direitos com ideias de favores. Culturalmente, foram assimilados mais deveres a serem cumpridos do que direitos a serem usufruídos. (…) é por conta disso que somos a nação das filas e das esperas demoradas, abrindo oportunidades para espertos se derem bem“.

Desse modo, caro leitor do Blog do Valdemir, pense muito bem antes de votar e acredite:

O poder de opção esta em suas mãos“.

Enfim…enquanto a nossa democracia sangra, a gente assiste de camarote a história se repetindo-se de forma muito eficiente. O que esperar do futuro? Se nas urnas o resultado for parecido, com que acontece entre Mendes e Pinheiro, não precisa ser vidente, para saber que isso acaba em mais, episódios de sofrimento, retrocesso e injustiça.

Porém como já dizia Philip Chesterfield:

Os políticos não conhecem nem o ódio, nem o amor. São conduzidos pelo interesse e não pelo sentimento“.

Fica a dica.