Chamusca chega com missão de fazer Cuiabá reagir após quatro jogos sem vitória

O tempo de trabalho de um técnico no Brasil é curto. Em média, um treinador permaneceu sete meses no comando dos times da Série A nesta década.

Desde 2011, os clubes da elite brasileira trocaram os donos da prancheta 472 vezes. Este número é três vezes maior que cada uma das cinco principais ligas da Europa: Alemão, Espanhol, Francês, Inglês e Italiano.

A cultura de maior paciência ao tempo de trabalho do treinador é mais respeitada nas principais ligas do Velho Continente. Enquanto isso, o futebol brasileiro caracteriza-se por uma cobrança enorme, tanto da diretoria quanto da torcida, por resultados imediatos. Mesmo que falte estrutura e condições adequadas de trabalho.

E a troca de treinadores continua, agora na Série B do Campeonato Brasileiro que teve sequência neste domingo. Poucas horas depois de ter sido demitido pelo CRB, Marcelo Chamusca foi oficializado como novo treinador do Cuiabá Esporte Clube.

Marcelo Chamusca acabou deixando o CRB no sábado, um dia depois de o clube chegar ao quinto jogo sem vitória, em razão da derrota para o Guarani, por 1 a 0, em Campinas. O CRB, porém, realiza boa campanha: é o oitavo colocado, com 39 pontos, a quatro do G4, a zona de acesso à primeira divisão.

Substituto de Itamar Schülle, que caiu ainda na sexta-feira depois da derrota de virada para o Vitória, por 3 a 1, em plena Arena Pantanal, Marcelo Chamusca já deve estrear nesta segunda-feira, contra o Sport, na Ilha do Retiro, no Recife.

A intenção da diretoria do Cuiabá ao mudar a comissão técnica é dar um choque no elenco, já que o time vem em queda livre no campeonato. Sem vencer há quatro jogos, o time de Mato Grosso se distanciou do pelotão da frente e aparece na 12ª colocação, com 36 pontos.

Natural de Salvador, Marcelo Chamusca tem 53 anos e passou por Vitória da Conquista, Salgueiro, Fortaleza, Atlético-GO, Sampaio Corrêa, Guarani, Paysandu, Ceará, Ponte Preta, Vitória e CRB antes de acertar com o Cuiabá.

Em seu currículo, o treinador tem três acessos: em 2013, com o Salgueiro na Série C; em 2016, com o Guarani na Série C; e com o Ceará na Série B, em 2017.