“Estresse momentâneo”: Jayme diz que troca de farpas faz parte da “regra do jogo”

A pouco mais de um ano do início oficial da campanha para a Prefeitura, nomes testam pré-candidaturas e força para a disputa eleitoral de 2020.

O grupo abrange figuras com e sem mandato, novatos, veteranos, ex-candidatos, ex-prefeitos e figura do setor empresarial. A estratégia de marketing é lançar o nome com antecedência para medir a aceitação popular, prática conhecida no jargão eleitoral como “balão de ensaio”.

As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgaram a Emenda Constitucional nº 97/2017 (texto sobre temática) que trata a sobre a criação da denominada cláusula de barreira ou cláusula de desempenho e da vedação aos partidos da possibilidade de estabelecerem coligações nas eleições proporcionais: para vereadores, deputados estaduais, distritais e federais.

Que fique claro, que essa vedação não é extensiva ao pleito majoritário, para escolha de Senadores, Prefeitos, Governadores e do Presidente. E faz muito sentido essa distinção de tratamento pelo sistema eleitoral de cada tipo de eleição.

De olho em 2020

Visando as Eleições de 2020 para ver quem vai sentar na cadeira Numero 1 do Palácio Alencastro, prédio que atualmente abriga a Prefeitura de Cuiabá, o clima parece que já começou a esquentar entre os lideres políticos, Emanuel Pinheiro (MDB) e Mauro Mendes Ferreira (DEM).

Nos últimos dias, Mendes e Pinheiro vem trocando farpas, e isso têm mostrado que realmente a relação entre os lideres não anda bem.

Segundo amigos ligados ao Democrata Mauro Mendes, ele estaria desaprovando uma possível união entre os Democratas e os Emedebistas para as Eleições de 2020 em Cuiabá. Mendes estaria em desacordo com as declarações do cacique e Senador da Republica do Partido Democrata (DEM), Jayme Veríssimo de Campos, que também não estaria de acordo com as constantes alfinetadas e cotoveladas tanto de Mendes quanto de Pinheiro, mas que tudo isso faz parte das “regras do jogo político” e ao final assegurou que o partido pode sim apoiar Emanuel Pinheiro.

É evidente que isso faz parte da regra do jogo democrático. Isso é quase constitucional, mas eu não acho que isso é saudável pra nenhum deles. Quando o diálogo é de alto nível e propositivo é bem melhor. Quando é feito de forma rasteira, particularmente eu não acho legal. Às vezes isso é questão de estresse momentâneo. Emanuel e Mauro são amigos e não há necessidade desse estranhamento. O próprio Emanuel já foi coordenador da campanha do Mauro Mendes. Isso tudo é superável”.

Um grupo dos Democratas representado pelo presidente regional Fábio Garcia se contrapõe fortemente à possibilidade de apoio a Emanuel Pinheiro, enquanto uma ala mais tradicional composta pelos irmãos Campos que não descarta a coligação, e essa possível coligação entre o DEM e o MDB na capital tem gerado indisposições dentro da sigla que o Senador Jayme Campos e o governador Mauro Mendes integram.

Nesse momento temos que discutir dentro do partido se há interesse ou não de ter uma candidatura própria. Todavia, não há nenhuma dificuldade de composição política, porque política é a arte do diálogo e do entendimento, visando as eleições em outubro de 2020, o DEM está tomando a decisão de forma saudável, evidente que gostaríamos de ter candidatura em todos os municípios do estado, mas isso não será possível, nós temos certeza”.

O Democrata Mauro Mendes chegou a afirmar que para ser meu amigo, Emanuel tem que deixar de mentir, em resposta à declaração do prefeito da capital sobre ter o apoio do governador para a candidatura em 2020.

Emanuel Pinheiro rebateu, dizendo que as afirmações de Mauro Mendes eram deselegantes e que não estavam à altura do cargo de governador”.

O cacique Democrata fez questão de minimizar as alfinetadas entre Emanuel Pinheiro e o governador Mauro Mendes, Jayme Campos chegou a dizer que as duas lideranças são amigos e destacou o fato de Emanuel ter sido o coordenador político da campanha vitoriosa de Mauro Mendes à Prefeitura de Cuiabá.

Mostrando sua força dentro do Partido Democrata e também no Senado da Republica, Jayme Campos esta sendo considerado como o maior responsável para que fosse aprovado o empréstimo junto ao Banco Mundial em tempo suficiente para economizar R$ 160 milhões de desembolso do Tesouro do Estado que seriam feitos caso o empréstimo não tivesse sido aprovado. Com gestos como esse, Jayme vai demonstrando a utilidade do seu mandato e consolidando seu conceito junto aos Democratas.

Claramente o Senador do Partido Democrata admite apoiar o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro à reeleição, ignorando também os protestos do presidente dos Democratas em Mato Grosso, Fabio Paulino Garcia, que é também seu suplente de Senador.

Fabio disse com certeza de que os Democratas teriam um candidato a Prefeitura de Cuiabá em 2020, com isso, Jayme Campos lança a dúvida ao afirmar que gostaria de ter candidaturas em todos os municípios, mas isso não será possível.

Evidente que Jayme Campos está se referindo que pode sim apoiar Emanuel Pinheiro.