Gestão Emanuel Pinheiro: “Armagedom” se aproxima com a formação dos “Cavaleiros da Távola Redonda”

A oposição ao sistema iníquo de gestão do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), começa a ganhar corpo, o que antes era composto pelos Três Mosqueteiro, Abílio Jacques Brunini Moumer, o “Abílio Junior” (PSC), Diego Arruda Vaz Guimaraes, “Diego Guimarães” (Progressistas) e Felipe Tanahashi Alves, o “Felipe Wellaton” (PV), ganhou reforço nesta semana com os vereadores Emanuel Mussa Amui Pinheiro, o “Lilo Pinheiro” (PDT) e Wilson Nonato Silva, o “Wilson Kero Kero” (PSL).

Pelo que tudo indica, o Armagedom da gestão Pinheiro começa se aproximar, com a oposição passando do formato dos Três Mosqueteiros para uma formação mais robusta, que pode chegar a composição dos Cavaleiros da Távola Redonda, dando de volta a esperança de dias melhores para o povo cuiabano.

Cavaleiros da Távola Redonda: foram os homens premiados com a mais alta ordem da Cavalaria, na corte do Rei Artur. A Távola Redonda, ao redor da qual eles se reuniam, foi criada com este formato para que não tivesse cabeceira, representando a igualdade de todos os seus membros.

Durante esta última semana, a maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Cuiabá, votaram a favor da aprovação do pedido de um empréstimo no valor de R$ 125 milhões, para construção de uma suposta obra “faraônica”, que se for construída poderá beneficiar 39 bairros da capital.

Até o ato da aprovação do empréstimo tudo bem, dando um cheque neste valor de R$ 125 milhões, nas mãos de uma pessoa que está com reputação e imagem abalada, sendo acusado de diversas irregularidades, a sociedade cuiabana já sabe da ligação tenebrosa, entre a maioria dos vereadores com o prefeito Emanuel Pinheiro, a grande surpresa foram os dois votos a mais, dos vereadores Wilson Kero Kero e Lilo Pinheiro, homens que antes fazia parte da base de sustentação das peripécias da gestão do prefeito, contra o empréstimo.

A assim como Abílio Junior, Diego Guimarães e Felipe Wellaton, que são oposição ao regime de gestão do prefeito Emanuel Pinheiro, os vereadores Lilo Pinheiro e Wilson Kero Kero, se mostraram a adversos aos planos que podem ser malévolos para esses R$ 125 milhões, que o povo de Cuiabá terá que pagar.

Oposição: a formação dos “Cavaleiros da Távola Redonda”.

Segundo informações de bastidores, assim como os vereadores Wilson Kero Kero e Lilo Pinheiro, outros vereadores poderão fazer parte de bloco, como Justino Malheiros, Mario Nadaf e Delegado Marcos Veloso, ambos do Partido Verde, que hoje já mostrou que terá candidatura própria nas próximas eleições, assim não deve seguir com os seus membros o caminho do abismo traçado pelo prefeito Emanuel Pinheiro.

No caso do PV, que é uma das maiores bancadas na Câmara Municipal, e tem o eterno secretário José Roberto Stopa no staff do prefeito, o momento de romper o cordão chegou no limite, e declarar independia agora para seguir seu caminho, em busca de uma candidatura própria em 2020.

Lembrando que o Partido Verde (PV) pode ser uma das alternativa do Senador Welligton Fagundes (PR), trocando o apoio da eleição passada, quando PV teve a candidata a vice, como também, do governador Mauro Mendes (DEM), porque PR e DEM já mostraram que estão andando de braços dados.

Nota da Redação:

Oposição mais forte.

Segundo informações de bastidores, as diretrizes das cúpulas estadual e municipal dos partidos, é para o bloco de oposição ganhar corpo, sessão após sessão, e ficaria composta até o final do ano da seguinte forma:

 

1- Dilemário Alencar (PROS)
2 – Abílio Júnior (PSC)
3 – Felipe Wellaton (PV)
4 – Diego Guimarães (Progressista)
5 – Lilo Pinheiro (PDT)
6 – Wilson Kero Kero (PSL)
7 – Mario Nadaf (PV)
8 – Justino Malheiros (PV)
9 – Delegado Marcos Veloso (PV)
10 – Marcelo Bussiki (PSB)
11 – Sargento Joelson (PSC).

Sem falar dos suplentes de vereadores, que ocupam as cadeiras esporadicamente, que devem adotar uma postura diferente no “fritar dos ovos”.

Pelo que tudo indica o Armagedom da gestão Emanuel Pinheiro já tem dia e hora marcada para acontecer.

A Bíblia fala do Armagedom como local duma guerra que preparará o caminho para um tempo de paz e justiça e que destruirá apenas a iniquidade (Salmos 92:7). _(Lauro Nazario)