Pré-candidatos se articulam para enfrentar Emanuel que tem só um adversário: O “Vídeo do Paletó”

Pré-candidatos a Prefeito de Cuiabá decidiram iniciar conversar para traçar estratégias que possam ajudar no enfrentamento do prefeito cuiabano do MDB, Emanuel Pinheiro, que as pesquisas de hoje apontam como favorito na Eleição de 2020.

Apesar de ainda não confirmar que estará no páreo, o Blog do Valdemir já antecipou que, nove evidências na administração do emedebista, reflete que ele, vai para a reeleição.

A ideia não é discutir a possibilidade de uma candidatura única, ao contrário, essas lideranças, defendem candidaturas múltiplas como uma estratégia para pulverizar a votação, oferecendo várias alternativas ao eleitorado, dividindo votos para forçar a realização de um segundo turno.

Os adversários políticos sabem do favoritismo de Emanuel Pinheiro nesta eleição, porém acreditam que a pré-campanha, especialmente via rede sociais e a campanha eleitoral vão permitir que se faça um contra ponto a atual gestão.

E a julgar pelos primeiros movimentos, o roteiro previsível seguido na última eleição para Prefeito em Cuiabá, não vai se repetir em 2020.

Tudo indica que o eleitor cuiabano deverá assistir na próxima campanha municipal a mais nova edição da disputa eleitoral: Emanuel Pinheiro X Mauro Mendes…já de olho em 2022.

Emanuel, já saiu na frente…O governador Democrata (DEM) Mauro Mendes, ainda não decidiu quem escolherá como o representante da máquina estadual.

Até o momento, faltando pouco menos de 345 dias para as Eleições Municipais de 2020, pode-se dizer que temos 15 nomes colocados como pré-candidatos. Alguns nomes são para ganhar holofotes, outros assumem realmente a pré-candidaturas, outros é o partido quem deseja, mas eles não falam nada.

Têm aqueles que nem partido tem ainda, e existem aqueles que dizem não ser candidato, que o partido diz que não é candidato, mas todo mundo acha que vai ser candidato.

O Blog do Valdemir listou, então, quem são até o momento, os pré-candidatos à Prefeito de Cuiabá em 2020. Claro que surgirão nomes novos no futuro, alguns irão compor chapa e têm aqueles, que desistirão.

Mas o Blog do Valdemir está acompanhando os movimentos. Afinal, Prefeito de Cuiabá, é uma vaga de emprego importantíssima.

Os nomes são:

1 – Emanuel Pinheiro
2 – Valtenir Pereira
3 – Fábio Garcia
4 – Mauro Carvalho
5 – Rogério Gallo
6 – Gilberto Figueiredo
7 – Niuan Ribeiro
8 – Victorio Galli
9 – Rafael Ranalli
10 – Gisela Simona
11 – Elizeu Nascimento
12 – Roberto França
13 – Fabrício Carvalho
14 – Julier Sebastião
15 – Procurador Mauro Cesar

Quem será o adversário de Emanuel?

Na última sexta-feira (18), o deputado federal e cacique do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), Carlos Bezerra, em entrevista ao jornal do meio dia, da TV Vila Real, canal 10,1 disse:

O único adversário que Emanuel Pinheiro tem hoje, é o paletó, só o paletó. Mas o que ele está fazendo na Prefeitura de Cuiabá, está superando de longe, a inserção do prefeito nos bairros e, nas periferias de Cuiabá, vem atuando bem na área de Saúde e da Educação“, pontuou o presidente do MDB.

Segundo Carlos Bezerra, o vídeo da delação de Silval Barbosa, será usado como a principal arma dos adversários contra o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro.

Sabemos que teremos adversários e que, eles usarão isso, a única coisa que eles irão usar“, finalizou o cacique emedebista.

É são esperados ainda, fortes emoções nos bastidores.

Nota da redação

O fim das coligações proporcionais tende a imprimir uma nova dinâmica nas eleições 2020 e no interior dos partidos.

Segundo o cientista político, professor João Edson, as direções partidárias terão que fazer uma seleção dos seus competitivos candidatos para lança-los sem que eles concorram com outros candidatos, do mesmo partido.

Em virtudes dessas situações, o professor João, disse que: “O que se verá, até maio de 2020, será um conjunto de fusões partidárias e a formação de federações de partidos, para conseguir, êxito na disputa proporcional“, pontuou.

De acordo com o cientista político, a partir de agora o que deve acontecer é uma intensa migração partidária, porque as pequenas e médias legendas, com baixa possibilidade de atingir o quociente eleitoral, vão ter que se recompor se unir a outras legendas, ou, então liberar seus filiados e, principalmente, seus candidatos, para que se filiem a outros partidos para conseguirem se eleger.

A verdade é: muitos têm aproveitado as diversas oportunidades, para ressurgir, na tentativa de serem lembrados como merecedores de ocupar a cadeira de chefe do Palácio Alencastro.