Tsunami José Geraldo Riva varre política de Mato Grosso

O que é um Tsunami?

A palavra Tsunami tem sua origem do japonês e significa algo como onda de porto. Trata-se de uma série de ondas de água que são causadas pelo deslocamento de um grande volume de um corpo de água. No Oceano Pacífico os tsunamis são comuns já tendo sido registrados 195 eventos desse tipo.

Bom….para os jornalistas do Blog do Valdemir, já são 196 Tsunami registrados, este ultimo, no Estado de Mato Grosso, mais precisamente em Cuiabá.

O Tsunami veio nesta semana quando o ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legalista do Estado de Mato Grosso (AL/MT), José Geraldo Riva, abriu sua mala de ferramenta, quando disse a Justiça que durante 20 anos o Estado de Mato Grosso era um verdadeiro ESTADO de CORRUPTOS.

Riva listou muitos nomes que recebiam PROPINA da Casa de Leis, deputados, secretários, e ate mesmo Juízes estavam na lista de José Riva de acordo com a sua delação premiada.

José Geraldo Riva, fez revelações de um verdadeiro Tsunami quando diz que pagou PROPINA,MENSALINHO na ordem de R$ 175 milhões de reais entre os anos de 1995 a 2015 para 38 ex-deputados estaduais e ate alguns deles ainda na ativa dentro da Casa de Leis.

Outro Tsunami agora veio contra os Juízes do Estado de Mato Grosso, quando o ex-presidente da Casa de Leis, José Riva afirma ter repassado como beneficio aos juízes Roberto Seror e Márcio Guedes para conceder decisões de interesse da organização criminosa que atuava junto ao Legislativo e Executivo do Estado.

Essa onda do Tsunami mato-grossense esta sendo tão alta que segundo comenta nos corredores palacianos, já ultrapassa a altura do Empire State com seus 102 andares em Nova York com facilidade.

Ainda conforme delação, Riva disse que as “merendas escolares dos parlamentares” já vinham acontecendo desde o governo Dante Oliveira, passando pelo governo Blairo Maggi, e ate o governo de Silval Barbosa, e que tudo custou R$ 38 milhões de reais.

Riva contou à promotora Ana Cristina Bardusco, chefe do Grupo Especial de Atuação e Combate ao Crime Organizado, que o processo de compra das eleições, que atravessaram os governos Dante de Oliveira, Blairo Borges Maggi e Silval da Cunha Barbosa, custou R$ 38 milhões e que todas, sem exceção, as eleições da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), foram “COMPRADAS” desde 1997, ano em que ele começou seus trabalhos como parlamentar.

José Geraldo Riva afirmou ainda que os deputados estaduais que quisessem ter a presidência da Casa de Leis, ou fazer parte dela, teria que meter a mão no bolso e comprar os votos dos deputados. E com isso, o dinheiro repassado pelo Executivo Estadual nunca dava, sempre tinha que buscar mais recursos, já que aumentava e muito as despesas do Legislativo Estadual.

E conforme José Geraldo Riva, disse que R$ 175 milhões de reais saíram dos cofres da Casa de Leis para serem repassados aos 38 ex-parlamentares e parlamentares como PROPINA, conforme consta na proposta de delação premiada junto ao Ministério Publico Estadual (MPE).